doentesdeamor

Doentes de Amor – A história de Kumail Nanjiani e Emily Gordon

Comédias românticas normalmente têm seus clichês. Doentes de Amor se diz uma comédia dramática, mas mesmo assim não foge dos mesmos. Porém, é interessante a forma como esses clichês são trabalhados e até mesmo frustrados, de modo a aproximar um pouco mais a história da realidade, já que é a isso que o filme se propõe.

Baseado na história real de Kumail Nanjiani e Emily Gordon, que assinam o roteiro, Doentes de Amor conta a história de amor do comediante paquistanês Kumail (interpretado por ele mesmo) e de Emily (Zoe Kazan), uma especialista em aconselhamento familiar, que estava iniciando sua carreira como terapeuta.

Doentes-de-amor

Ao se conhecerem, o casal acredita que seu relacionamento não vai passar daquela noite. Porém acabam se envolvendo e namorando por um período, sem acreditar que o relacionamento teria continuidade. Após romperem, Emily é diagnosticada com uma estranha doença e passa dias em coma induzido.  Kumail acaba se envolvendo com o tratamento de Emily e conhecendo os pais da garota. A partir daí começa sua jornada de amadurecimento e libertação das tradições paquistanesas.

O ritmo do filme é interessante. Ele passa a primeira parte de forma bem acelerada, para dar exatamente a ideia de como o relacionamento dos personagens se desenvolve rapidamente. Depois o ritmo cai, dando uma ideia do quão os dias se tornaram arrastados, depois que a personagem vai para o hospital. Esse ritmo mais lento é que garante maior desenvolvimento do personagem Kumail.

Apesar de o casal principal ser bem carismático, as atuações no filme são bastante medianas. A exceção é Holly Hunter, que vive Beth, mãe de Emily. A atriz é sem dúvidas o maior destaque do filme, garantindo ao personagem toda a complexidade de uma mãe que sofre pela doença de um filho. A relação que sua personagem desenvolve com Kumail é, certamente, um dos pontos altos do filme.

No geral, Doentes de Amor não apresenta nada de muito original. Apesar disso, é um filme divertido e interessante. E pode vir a conquistar seu público por ter um estilo meio indie, que em certo momento chega a lembrar vagamente 500 Dias Com Ela.

Se gostou, curta, compartilhe e indique aos amigos!
Tags:
0 shares
Estudante de cinema. Formada em Contabilidade. Fascinada por​ tv, séries e filmes. “It’s awful being a grown up, but the carousel never stops turning. You can't get off.”
Previous Post

Big Mouth – Resenha crítica

Next Post

A Guerra dos Sexos (Battle of the Sexes) – Muito além da quadra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *