Connect with us

Cinema

Dirty Dancing (2017) – Não podiam ter feito isso

Published

on

Sabe a frase “Nada se cria, tudo se copia”? Bom, ela tem sido bem levada a sério na televisão norte-americana ultimamente. A lista de remakes, revivals e reboots que a gente tem visto nos últimos anos é infinita e demonstram um certo esgotamento desse meio. Há muito tempo ouvia-se falar de fazer um remake de Dirty Dancing, filme de 1987 estrelado por Jennifer  Grey e Patrick Swayze, mas nunca saía nada de concreto. Até que a ABC seguindo a onda da FOX, que fez o especial de Grease no ano passado, resolveu aproveitar que o filme completa 30 anos agora em 2017 e investir na ideia. O tão anunciado remake de Dirty Dancing foi ao ar na TV americana no dia 24/05 e foi recebido de forma muito negativa pelo público em geral. Muito se falou sobre a mudança feita no final do filme, mas esse, para mim, nem foi o grande problema da produção.

Quanto se vai assistir um remake você espera que façam algumas mudanças no filme, mas que a essência da história permaneça a mesma. Isso não é o que vemos em Dirty Dancing (2017). As várias alterações feitas no enredo acabam por dividir o foco do filme, e trama de Baby (Abigail Breslin) e Johnny (Colt Prattes) termina por ter pouco desenvolvimento, o que faz com que o casal perca a força que teve no filme dos anos 80. Dessa forma o filme acaba ficando sem graça e se tornando apenas mais um musical adolescente com histórias fracas e pouco consistentes.

Falando em musical, a escolha de fazer do remake um musical, apesar de mal executada em alguns momentos, foi ótima. Grande parte do sucesso do clássico de 1987 foi devido à trilha sonora maravilhosa do filme, e aproveitar isso pra fazer dele um musical é um conceito excelente. O problema ficou na quantidade de cenas desnecessárias que foram inseridas por causa disso, inclusive músicas que não estavam na trilha sonora original.

As atuações no geral são bem fracas. Abigail Breslin em alguns momentos chega a soar caricata em uma atuação forçada, totalmente não natural. Já Colt Prattes, pra mim foi um erro de escalação. Devem ter feito teste só para canto e dança com ele e esquecido da parte da atuação. O ator não consegue te passar nada em momento algum e o fato dele, mesmo sendo 10 anos mais velho, parecer ter quase a mesma idade de Breslin, acaba contribuindo para a perda da essência do filme. O único destaque no quesito atuação foi Debra Messing, que se encaixou perfeitamente na pele de Marjorie Houseman. O personagem, que teve pouco destaque no filme de 1987, ganhou mais espaço na versão atual e a atriz soube captar bem a alma do papel que fora vivido por Kelly Bishop.

Agora a parte mais importante que, pra mim, pesou e comprometeu o filme. Dirty Dancing é um filme sobre dança, inclusive deixa isso claro no nome. Então, era imprescindível que as coreografias desse filme fossem bem executadas e tão marcantes quanto a do original. Ao invés disso, o que temos é mais do mesmo que é visto em geral nos musicais, nenhum passo mais complicado ou elaborado, com exceção do famoso salto, que ganha uma versão bem sem graça. Inclusive a coreografia final é quase toda modificada, o que mata o filme.

Dessa forma, a impressão que fica é que os produtores não tiveram o menor cuidado e respeito com a trama original. Simplesmente costuraram um monte de novas histórias no roteiro, e saíram filmando. Parece mais um musical inspirado no filme, do que um remake da produção de 1987. Em relação ao tão comentado final, só tenho a dizer que não foi nada que comprometesse o enredo, apenas optaram por não deixar em aberto como o filme original fez.

 

Nota: 3,1

 

Lançamento: 24 de maio de 2017
Direção: Wayne Blair
Roteiro: Jessica Sharzer
Gênero: Musical / Romance
Distribuidora: ABC

 

Cinema

“Lady Bird – É hora de voar” Crítica

Published

on

Conhecido também como “o típico filme sobre a adolescência de uma americana” que concorre ao Oscar, Lady Bird – Hora de voar, é um longa que fala, sobretudo, de amadurecimento.

Bem dividido em três atos, o filme nos apresenta “Lady Bird”, uma menina de cabelos cor-de-rosa e cheia de personalidade. Logo nos primeiros minutos, nos é provado, de um modo até bastante drástico, aonde ela pode chegar com seus impulsos e atitudes intensas.

No primeiro ato, vemos a personagem em seu cotidiano. Nada muito diferente da habitual vida de uma adolescente classe média dos Estados Unidos. Porém, é nesse primeiro ato que conhecemos, aos poucos, todas as repressões e toda a angústia recolhida na menina. Obrigada a ir para uma escola católica, Lady Bird busca, em todos os seus gestos, desregrar o universo a sua volta – seja fazendo uma escandalosa apresentação no teste para uma peça teatral ou pregando um trote em uma das autoridades da instituição.

E assim, o filme é costurado com sequências rápidas e com um ritmo que nos deixa, por vezes, ofegantes. Tudo acontece de um modo muito intenso – compactuando com o psicológico da personagem – e vivo. Porém, é possível notar que todas essas cores escondem situações difíceis: um pai depressivo, problemas financeiros e, como é muito bem enfatizado pela narrativa – uma delicada relação materna.

“Você gosta de mim?” nossa personagem pergunta à sua mãe. Diálogos profundos aqui não faltam. “Você não acha que amor e atenção são a mesma coisa?”.

Conforme o tempo vai decorrendo, vemos o primeiro ato se fechar, e os núcleos de problemas vão se multiplicando e costurando, aos poucos, o que podemos chamar de as experiências que tornarão Lady Bird uma pessoa mais amadurecida. Entretanto, é longe de ser o objetivo do filme traçar uma jornada do herói bem formatada e redonda. Ela ainda está em construção. O que são mostrados aqui são apenas alguns passos da jornada de uma vida – com seus desejos, erros, conflitos e perdão, seja em relações familiares, amorosas ou de amizade.

Tecnicamente, o filme possuí um visual muito bonito. As paletas de cor são, geralmente, compostas de tons vivos e fortes, como vermelho sangue, azul esmeralda e rosa. Os planos são registrados de ângulos curiosos, e a fotografia parece querer quebrar com regras de composição geralmente observadas em, por exemplo, filmes de massa, como que com o objetivo de – inconscientemente – quebrar uma noção de plano.

A trilha sonora também é muito boa: são observadas músicas da época, além de ritmos que ajudam a compor a atmosfera de cenas em específico, tudo sem exageros. Além da montagem, que tem como característica central sua rapidez e dinamicidade, que ajuda a criar um filme tecnicamente singular e de suma importância.

Assim, Lady Bird se mostra um dos melhores candidatos à estatueta, não só pela sua construção técnica original, mas, sobretudo, por uma trama humana, dotada de atuações fortes e uma rede de temas trabalhados de uma maneira fluída e leve que, no final das contas, formam uma costura complexa e envolvente sobre o amadurecer.

Continue Reading

Cinema

Crítica: Eu, Tonya

Published

on

Aqui temos um filme que conta a história de uma competidora de patinação de gelo artística, que vê sua carreira decair, tendo um dia o título de melhor patinadora dos Estados Unidos para um envolvimento criminal e escândalo na mídia.

De cara, temos duas atuações poderosas em questão. Na pele de Tonya Harding, nossa polêmica personagem principal, temos Margot Robbie, brilhantemente transmitindo toda a raiva, frustação, desejo, tristeza e fúria presentes e contidos na patinadora. Interpretando sua agressiva mãe, Allison Janney também consegue, em cada gesto, direcionar nossas emoções para um sentimento de repulsa por sua personagem.

Sustentando-se com base nessas fortes interpretações, o longa costura sua narrativa paralelamente entre cenas em que a história está de fato acontecendo e gravações, em um tom documental, de diversas personagens que participaram da trama, anos após, dando depoimentos e opinando sobre aquilo tudo. Dessa forma, nós já somos induzidos a pensar de tal forma, adotar uma versão da história. Porém, quanto mais cenas do “presente” são rodadas, mas o público é cativado a interpretar os acontecimentos de sua maneira. De início, esse artifício de revezamento entre tipos de narração é fluído. Entretanto, com o passar do tempo isso se torna um pouco maçante, considerando que em alguns casos o ritmo dos fatos e a sucessão de ações são quebrados por uma fala ou outra dos personagens. Assim os planos da narrativa em si nos que engajam a acompanhar cada respiração de Tonya em sua jornada, da mesma forma que os depoimentos nos ajudam a ter uma percepção diferente e resgata detalhes e reflexões da história. Também existem quebras da quarta parede (onde o personagem olha diretamente para tela) que a ajudam a dinamizar o filme.

Apesar dessa dificuldade na progressão e montagem, Eu, Tonya é, sem dúvida, um dos melhores filmes do ano. Além das atuações verdadeiras e fortes, o uso da câmera, iluminação, maquiagem (a direção de arte é incrivelmente trabalhada, reconstruindo toda uma época, e ajudando a transmitir as emoções ali repassadas, como em um momento específico em que Tonya se vê em uma situação difícil e pesada: a maquiagem acompanha essa atmosfera, com tons escuros e pouca suavidade).

 

O roteiro é forte, e apresenta cenas surpreendentes e que prendem a atenção. Todo o drama vivido por Tonya é sentido, representado e desenvolvido de forma consistente, fazendo-nos torcer cada vez mais para que tudo dê certo. O nível de envolvimento das atrizes com as personagens nos faz perceber como até o tom de voz é calculado para transmitir certa ideia: a ideia de um patriotismo pessimista acerca de si mesmo. Sendo uma mulher que não corresponde as expectativas impostas sobre sua atuação de patinadora artística, o filme também aborda o imenso machismo (tanto na patinação em si quanto nas relações interpessoais de Tonya, principalmente com seu ex-marido) e intenções por trás daquilo que, numa primeira camada, é apenas um esporte.

Dotado de qualidades técnicas incríveis, atuações incontestáveis, um roteiro forte e algumas falhas narrativas, Eu, Tonya deve ser considerado um filme obrigatório para aqueles que se dizem apreciadores da sétima arte ou para qualquer um que deseje explorar o universo dos esportes e da mídia de uma perspectiva mais profunda e real.

Continue Reading

Cinema

A forma da água: Líder em indicações ao Oscar – Crítica

Published

on

Liderando com 13 indicações para o Oscar, “A Forma da água”, dirigido Guillermo Del Toro, diretor aclamado por filmes como  “O labirinto do Fauno” e “ A Colina Escarlate”, conta a história de uma zeladora muda, que trabalha para um laboratório secreto de experimentos em Baltimore, e que se apaixonada por uma criatura trazida das águas amazônicas.

O enredo do filme é dotado de uma fantasia já tradicional do diretor – a presença de estranhas criaturas e como elas se relacionam com o mundo. Aqui, porém, temos uma qualidade técnica de última geração, em que cenas debaixo d’água (que pincelam o filme em momentos cativantes, como a aproximação de Elisa, nossa protagonista, com a criatura) dão um visual inovador e admirável ao longa.

Além dais tais cenas subaquáticas, é preciso ressaltar o incrível trabalho de design de produção da equipe, pois aqui a reconstrução dos anos 60 é delicada e certeira. O filme é dotado de cenários detalhados e carinhosamente pensados, como uma lanchonete cheia de tortas caprichadas e chamativas e um belo cinema com suas cortinas de veludo vermelhos. Além disso, existem objetos cenográficos que remetem muito bem à época, como ônibus e roupas, além do cabelo e maquiagem meticulosamente montados (as indicações às categorias de melhor figurino e direção de arte aqui são merecidíssimas).

Ainda falando da parte estética, “A forma da água” é banhada por uma paleta de cores frias muito agradável aos olhos, com seus tons verde-azulados, que combinados com a fotografia precisa criam um ambiente de mistério e sedução, uma improvável combinação que acontece ao longo de todo o filme. A criatura é, sem dúvida, o maior destaque aqui, tanto como um objeto cenográfico muito bem maquiado, como um personagem, por meio de seus movimentos e presença. A relação com Elisa é um dos grandes fatores que tornam o filme uma obra que vale seu tempo de assistir: dois seres que se conectam por motivos de deslocamento, solidão e marginalidade perante à sociedade.

A montagem do filme se mostra suave, e a transição entre planos acontece de uma maneira muito prazerosa de se acompanhar: sem muitos “cortes crus” e quebras de cor.

Falando do roteiro, não há nenhuma história imperdível e imprevisível aqui. Sim, o tema é diferente, a atuação de Sally Hawkins é sólida e bem executada, através de suas expressões e gestos, porém o enredo não dá muitas reviravoltas e não se mostra explorador de muitas facetas – sim, existem alguns subtemas aqui, como o racismo e o patriotismo desmensurado, mas nada que seja explorado por muito tempo em tela.

“A forma da água” se mostra, assim, uma produção digna visualmente, que merece ser aclamada por sua construção estética, mas com uma narrativa um pouco fraca no sentido de nos contar uma história com a intensidade de prender-nos em seus atos, almejar pelo momento seguinte e causar espanto em um desfecho.

Continue Reading

Trending